domingo, 22 de setembro de 2013

Intercessão dos Santos - Série apologética






A Intercessão dos Santos... Amo falar sobre este assunto. Para podermos analisar a intercessão dos Santos, vejamos o que ensina o Catecismo da Igreja Católica em relação a isso:
Catecismo da Igreja Católica, Parágrafo 956:
‘’A intercessão dos santos. "Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio": Não choreis!
Ser-vos-ei mais útil após a minha morte e ajudar-vos-ei mais eficazmente do que

6
durante a minha vida’’.

O Catecismo nos ensina que os Santos não cessam de interceder por nós. Pelo fato de eles estarem mais próximos de Jesus Cristo, nos ajuda a se aproximar de Cristo. Mas será que isso tudo tem base Bíblica? Como posso explicar a Intercessão dos Santos para meus colegas protestantes?
Os protestantes utilizam a seguinte passagem para tentar negar a Intercessão dos
Santos, vejamos:

‘’ Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo,
homem’’ (1Timóteo 2,5)

Lendo essa passagem ao pé da letra, aparenta aqui negar a intercessão dos Santos, pelo fato de ser UM só Mediador, entre Deus e os homens. Mais uma vez o protestante ler fora do contexto, pegando apenas uma parte do texto e querendo formar sua opinião. Vamos ver o que nos diz o versículo 6 de 1 Timóteo 2:
‘’ que se entregou como resgate por todos. Tal é o fato, atestado em seu tempo’’
(1Timóteo 2,6)

Lendo o versículo 6 podemos entender o sentido do versículo 5. Quando se trata do único mediador fala da Salvação, tanto que se utiliza a palavra ‘’homem’’, no final do versículo 5. Por quê? Porque isso se refere à Salvação, somente Cristo poderia morrer na Cruz em resgate da humanidade. Como sabemos a Bíblia não é contraditória, por ser ela a palavra de Deus. Em 1Timóteo 2,1 nos ensina que devemos ser
intercessores uns dos outros, vejamos:

‘’ Acima de tudo, recomendo que se façam preces, orações, súplicas, ações de graças por todos os homens’’ (1Timóteo 2,1).
Se só existe um único mediador entre Deus e os homens da forma que o protestantismo interpreta, a Bíblia então se contradiz? Lógico que a Bíblia não é contraditória, por ser ela a Palavra de Deus; aqui nos faz perceber que a interpretação dos protestantes sobre essa passagem é errada!
Quando você reza por algum conhecido seu, você está sendo um intercessor daquela pessoa a Deus. Quando alguém me ajuda rezando por mim, essa pessoa está
pedindo a Deus em nome de Jesus por mim, assim como aprendemos em 1Timóteo
2,1.

Por tanto, a exclusividade da medição de Cristo refere-se à justificação dos homens. A
mediação da intercessão dos santos é de outra natureza, referindo-se à providência de Deus em favor do nosso semelhante. Desta forma, o texto de 1Tm 2,5 dentro de seu contexto não oferece qualquer obstáculo à doutrina da intercessão dos santos.
Mas os protestantes, usam uma passagem Bíblica, distorcendo seu verdadeiro significado, para tentarem afirmar que os mortos estão inconscientes. Vejamos:
7
‘’ Com efeito, os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos de nada sabem. Para eles não há mais recompensa, porque sua lembrança jaz no esquecimento. Amor,
ódio e inveja acabaram. Não terão mais parte alguma, para o futuro, no que se faz
debaixo do sol’’ (Eclesiastes 9,5-6).

Já que a Bíblia é um conjunto coeso de livros, não podemos aceitar a doutrina da “dormição” ou “inconsciência” dos mortos simplesmente pelo fato de que há versículos claros na Sagrada Escritura que mostram que os mortos não estão nem “dormindo” e nem “inconscientes” (cf. Is 14, 9-10; 1Pd 3,19; Mt 17,3; Ap 5,8; Ap 7,10; Ap 6,10); o que faria alguém pensar que há contradições na Bíblia.
A questão é que os versículos citados do Eclesiastes não fazem referência a um estado mental dos mortos, mas sim ao infortúnio espiritual em que se encontram por causa do lugar onde estão. Os mortos os quais os textos se referem são aqueles que morreram na inimizade de Deus, e não a qualquer pessoa que morreu. Vejamos os versículos abaixo:
“Ignora ele que ali há sombras e que os convidados [da senhora Loucura] jazem nas
profundezas da região dos mortos.” (Prov 9,18)
“O sábio escala o caminho da vida, para evitar a descida à morada dos mortos.” (Prov
15,24)
Os versículos acima mostram que a região dos mortos é um lugar de desgraça, onde são encaminhados os inimigos de Deus. Isto é ainda mais evidente em Prov 15,24. O sábio é aquele que guarda a ciência de Deus, este quando morrer não vai para a “morada dos mortos”. As expressões “morada dos mortos” ou “região dos mortos” fazem alusão a um lugar de desgraça, onde os inimigos de Deus estão privados da Sua Graça.
Voltando aos versículos do Eclesiastes, o escritor sagrado ao escrever que para os mortos “não há mais recompensa”, “não há mais trabalho, nem ciência, nem inteligência, nem sabedoria”, refere-se unicamente ao infortúnio que existe “na região dos mortos’’, para onde eles vão”. Eles quem? Os que estão mortos para Deus.
Por tanto, dentro de seu contexto, os versículos do Eclesiastes também não oferecem qualquer imposição à doutrina da intercessão dos santos.
Mas para detonar de vez com essa acusação, podemos analisar belas palavras pronunciadas pela boca do próprio Cristo, vejamos:
‘’Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, JAMAIS MORRERÁ . Crês Nisto?’’ (João 11,25-26).
Os Santos por terem servido a Jesus Cristo, terem acreditado e renunciado tudo que era mundano para obedecerem a Deus, esses não estão mortos, e sim vivos. Vejamos
mais exemplos:

8
‘’ Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó. Ora Ele não é Deus dos mortos, mas Deus dos vivos’’ (Mateus 22,32).
‘’Pois, se os mortos não ressuscitam também Cristo não ressuscitou. E se Cristo não
ressuscitou, é inútil a vossa fé, e ainda estais em vossos pecados’’ (1 Coríntios 15,16-
17)

Existem passagens que podemos ver claramente que os Santos estão conscientes, vamos analisar:
‘’ O Senhor disse-lhe: Que fizeste! Eis que a voz do sangue do teu irmão clama por
mim desde a terra’’ (Gênesis 4,10).

Como isso acontece? Vamos analisar a visão de João:

‘’ Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra?’’ (Apocalipse 6,9-10).
Podemos analisar também que o Juízo particular é um fato Bíblico. Vejamos:

‘’ Como está determinado que os homens morram uma só vez, E LOGO EM SEGUIDA VEM O JUÍZO’’ (Hebreus 9,27).
Veja com atenção essas palavras do apóstolo Paulo:

‘’ Estamos, repito, cheios de confiança, preferindo ausertar-nos deste corpo para IR
HABITAR JUNTO DO SENHOR’’ (2Coríntios 5,8).

Perceba que aqui claramente Paulo diz que vai habitar  junto do Senhor, ele não fala que vai ficar dormindo até a volta de Cristo!
A Bíblia nos ensina que os homens após a ‘’morte’’ serão como os Anjos:

‘’ Na ressurreição, os homens não terão mulheres nem as mulheres, maridos; mas serão como os anjos de Deus no céu’’ (Mateus 22,30).
‘’ Eles jamais poderão morrer, porque são iguais aos anjos e são filhos de Deus,
porque são ressuscitados’’ (Lucas 20,36).

Se seremos como os Anjos; o que os anjos fazem? Vamos analisar o que a Bíblia ensina:
‘’ Não são todos os anjos espíritos a serviço de Deus, que lhes confia missões para o
bem daqueles que devem herdar a salvação’’ (Hebreus 1,14).


9
‘’ Quando recebeu o livro, os quatro Animais e os vinte e quatro Anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um uma cítara e taças de ouro cheias de perfume (que são as orações dos Santos). (Apocalipse 5,8).
‘’Por isso, estão diante do trono de Deus e o servem, dia e noite, no seu templo. Aquele que está sentado no trono os abrigará em sua tenda. Já não terão fome, nem sede, nem o sol ou calor algum os abrasará’’ (Apocalipse 7,15)
Existem como podemos ver vários exemplos de passagens Bíblicas que nos mostra a intercessão dos Santos. Certo dia ao estudar o livro do profeta Daniel, aprendi bastante. Vou mostrar aqui umas passagens que me fez mergulhar na graça que é a intercessão dos Santos. Veja coma atenção:
‘’ Não temas, Daniel – disse-me-, porque desde o primeiro dia em que aplicaste teu espírito a compreender, e em que te humilhaste diante de teu Deus, tua oração foi ouvida, e é por isso que eu vim. O chefe do reino persa resistiu-me durante vinte e um dias; porém Miguel, um dos principais chefes, veio em meu socorro. Permaneci assim ao lado dos reis da Pérsia’’ (Daniel 10,12-13).
‘’ Contra esses adversários não há ninguém que me defenda a não ser Miguel, vosso chefe’’ (Daniel 10,22 - Obs: Em algumas Bíblias é o versículo 21)
Profeta Daniel mostra aqui claramente a intercessão de São Miguel por ele. Daniel diz que não há quem lhe proteja a não ser Miguel. Será então que Miguel foi colocado no lugar de Deus? Será que isso é idolatria? Claro que Miguel não foi colocado no lugar de Deus. Podemos ver aqui claramente que Miguel serve a Deus. Miguel intercedeu por Daniel, protegeu Daniel. Mas se nós em algum lugar formos falar que nossa Senhora é a única que nos protege, seriamos acusados pelos protestantes de idolatria... Protestantes, não sabem o que dizem...
- Os protestantes não se cansam, e afirmam que os Santos não podem interceder porque não são onipresentes. E agora como argumentar isso a um protestante? Vejamos:
São Paulo nos ensina que a Igreja é o corpo de Cristo. Desta forma, os que estão unidos a Cristo através de seu ingresso na Igreja, são membros do Seu corpo. Isso quer dizer que tantos nós que estamos na terra, como os que já morreram na amizade do Senhor, todos somos membros do Corpo Místico de Cristo, onde Ele é a cabeça. Vejam:
São Paulo ensina que a Igreja é corpo de Cristo: “Agora me alegro nos sofrimentos suportados por vós. O que falta às tribulações de Cristo, completo na minha carne, por seu corpo que é a Igreja.” (Col 1,24)
São Paulo ensina que somos membros do corpo de Cristo e por isso nós cristãos estamos ligados uns aos outros: “assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só
corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro.” (Rom 12,5)



10
São Paulo ensina que Cristo é a cabeça do seu corpo que é a Igreja: “Ele é a Cabeça do corpo, da Igreja.” (Col 1,18)
Isso quer dizer que nós e os santos (que estão na presença de Deus) estamos ligados, pois somos membros de um mesmo corpo, o corpo de Cristo, que é a Igreja.
Assim como minha mão direita não pode se comunicar com a esquerda sem que esse comando tenha sido coordenado pela minha cabeça (caso contrário seria um movimento involuntário), da mesma forma, no Corpo de Cristo os membros não
podem se comunicar sem que essa comunicação aconteça através da cabeça que é Cristo. Dessa forma, quando nós pedimos para que os santos intercedam por nós junto a Deus (comunicação de um membro com o outro no corpo de Cristo), isso acontece através de Cristo. Assim como a nossa cabeça pode coordenar movimentos simultâneos entre os vários membros de nosso corpo, Cristo que é a cabeça da Igreja e é onisciente e onipresente possibilita a comunicação entre os membros do Seu corpo.
Por tanto, a falta de onipresença e onisciência dos santos não apresenta qualquer impedimento para que eles conheçam ou recebam nossos pedidos, e então possam interceder por nós junto à Cristo.
Podemos também analisar alguns textos Bíblicos. Vejamos:

‘’ Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande chefe, o protetor DOS FILHOS do seu povo
[...]’’ (Daniel 12,1).

Miguel protegia OS FILHOS, ou seja, ele protegia vários ao mesmo tempo e não era onipresente!
‘’ Porque, embora CORPORALMENTE DISTANTE, ESTOU PRESENTE A VÓS EM
ESPÍRITO, e me Alegro EM VER a firmeza da vossa fé em Cristo’’ (Colossenses 2,5).

Apóstolo Paulo, não era onipresente e estava AUSENTE corporalmente, mas estava PRESENTE em espírito, ao ponto de VER a firmeza da fé do povo daquela certa região.
‘’ Adiantou-se outro ANJO e pôs-se junto ao altar, com um turíbulo de ouro na mão. Foram-lhe dados muitos perfumes, para que os OFERECESSE com as ORAÇÕES DE TODOS OS SANTOS no Altar de ouro, que está adiante do trono’’ (Apocalipse 8,3).
O Anjo não era onipresente e tinha acesso às orações de TODOS os SANTOS.

‘’ Estes são os que não se contaminaram com mulheres, pois são virgens. São eles que ACOMPANHAM O CORDEIRO POR ONDE QUER QUE VÁ [...]’’ (Apocalipse
14,4).

Aqui podemos ver que os Anciãos, acompanhavam o Cordeiro (Que é Jesus), por onde ele for Jesus está em todo lugar por ser onipresente. Esse acesso, essa unidade entre o Céu e a terra é de fato permitida por Deus, para que assim uns ajude aos
11
outros.

‘’ Desse modo, cercados como estamos de uma tal nuvem de TESTEMUNHAS [...]’’
(Hebreus 12,1).

O Reino dos Céus nos cerca. Faz-se presente na terra, os Santos, por meio de Cristo, cabeça do Corpo Místico.
‘’ Foi para dar a esse assunto uma nova feição que Joab fez isso. Porém tu, ó rei,
meu senhor, és tão sábio COMO UM ANJO DE DEUS, PARA SABER TUDO o que SE
PASSA NA TERRA’’ (2 Samuel 14,20).

Os anjos sabem TUDO o que se passa na terra!

‘’ Ele nos manifestou o misterioso desígnio de sua vontade, que em sua benevolência formara desde sempre, para realizá-lo na plenitude dos tempos – desígnio de REUNIR EM CRISTO TODAS AS COISAS, AS QUE ESTÃO NOS CÉUS E AS QUE ESTÃO
NA TERRA’’ (Efésios 1,9-10).

Essa passagem nos mostra a unidade do Corpo Místico de Cristo que é a Igreja. A Igreja é a realização da unidade de tudo que está no Céu e na Terra.
- Outro ataque protestante é dizer que nós não podemos dirigir nossas orações aos santos, pois isto caracteriza evocação dos mortos que é severamente proibida na Bíblia.
Esta objeção baseia-se principalmente nos versículos abaixo:
“Não se ache no meio de ti quem pratique a adivinhação, o sortilégio, a magia, o espiritismo, a evocação dos mortos: porque todo homem que fizer tais coisas constitui uma abominação para o Senhor” (Dt 18, 9-14).
“Se uma pessoa recorrer aos espíritos, adivinhos, para andar atrás deles, voltarei minha face contra essa pessoa e a exterminarei do meio do meu povo. (…) Qualquer mulher ou homem que evocar espíritos, será punido de morte” (Lev 20, 6 – 27).
Conforme vimos, Deus abomina a evocação dos mortos. No entanto, há uma diferença tremenda entre evocar os mortos e dirigir nossos pedidos de orações aos santos.
A evocação dos mortos é caracterizada pelo pedido de que o espírito do defunto se apresente e então se comunique com os vivos como se ainda estivesse na terra. Esta prática é condenada por Deus, pois em vez de confiarmos na Providência Divina quanto ao futuro e às coisas que necessitamos, deseja-se confiar nas instruções dos espíritos. Conforme a Sagrada Escritura dá testemunho em 1 Samuel 28.
Na intercessão dos santos, não estamos pedindo que o santo se apresente para “bater um papo” a fim obter qualquer tipo de informação, mas sim, dirigimos a eles nossos pedidos de oração, como se estivéssemos enviando uma carta solicitando algo (o que
é bem diferente de evocar mortos). Na intercessão dos santos continuamos confiando

12
na Providência Divina, pois os santos são apenas mediadores. Quem atende aos nossos pedidos é Deus.
Desta forma, as proibições divinas quanto à prática de espiritismo não se aplicam à doutrina da intercessão dos santos.