domingo, 3 de fevereiro de 2013

A falta de senso dos maus religiosos e dos ateus fanáticos


A falta de senso dos maus religiosos e dos ateus fanáticos

Ainda sobre a tragédia ocorrida na madrugada deste domingo em Santa Maria, preciso fazer mais dois comentários sobre as atitudes nonsense que algumas pessoas tiveram diante da catástrofe.

Primeiro: alguns religiosos ignorantes vieram a público insinuar que o incêndio fora um castigo de Deus (veja-se, p.ex.,aqui e aqui) por conta dos pecados daqueles jovens. Ora, que me conste, ninguém tem procuração do Todo-Poderoso para afirmar peremptoriamente qual a motivação dos Seus atos em cada caso concreto – de modo que uma afirmação assim configura, no mínimo, um juízo temerário. Depois, escrever este tipo de coisa em público é uma tremenda falta de sensibilidade para com os familiares das vítimas, que já estão sofrendo o suficiente com a perda dos seus entes queridos.
Por fim, semelhante julgamento é fruto de um orgulho demoníaco. Contra aqueles que gostam de encontrar, entre vítimas de tragédias, pecadores maiores do que si próprios, Nosso Senhor já respondeu com bastante clareza nas páginas do Evangelho. São Lucas nos narra o seguinte episódio:
Neste mesmo tempo contavam alguns o que tinha acontecido a certos galileus, cujo sangue Pilatos misturara com os seus sacrifícios.
Jesus toma a palavra e lhes pergunta: Pensais vós que estes galileus foram maiores pecadores do que todos os outros galileus, por terem sido tratados desse modo? Não, digo-vos. Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo.
Ou cuidais que aqueles dezoito homens, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, foram mais culpados do que todos os demais habitantes de Jerusalém? Não, digo-vos. Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo.
A passagem é suficientemente clara para não permitir tergiversações. Os jovens que morreram tragicamente na boate de Santa Maria não eram mais pecadores do que os outros jovens da cidade; dizer o contrário é ser leviano. Qualquer um pode encarar a tragédia como um castigo de Deus (a este respeito, veja-se aquiaqui), mas não tem legitimidade alguma para julgar que os que nela pereceram fossem piores do que os que ficaram vivos. Afinal de contas, para todos nós, se estamos vivos hoje, é por graça e misericórdia de Deus. Se incêndio fosse castigo para pecadores, eu próprio já teria morrido queimado há muito tempo.
Segundo: como não existe nada feito por um religioso que um ateu não possa fazer mil vezes pior, o perfil do Facebook da ATEA aproveitou a tragédia de ontem para fazer um estúpido e insensível proselitismo irreligioso. Depois apagaram a imagem sem dar maiores satisfações; mas o pessoal do Anti-Ateísmo guardou. É a imagem seguinte, que aqui vai (naturalmente) cortada na parte de baixo em respeito às vítimas da tragédia de Santa Maria – respeito que os ateus do Facebook não tiveram quando a publicaram ontem integralmente [p.s.: na verdade, parece que a foto era de um outro incêndio fora do país, mas a imagem estava sendo compartilhada como se fosse da boate em Santa Maria - e, independente da fonte exata das imagens, a cretinice da exploração do sofrimento alheio para se fazer piada e propagação do ateísmo permanece]:
deus-cade-voce
Se é errado insinuar que as vítimas do acidente eram mais pecadoras do que a média, é muitíssimo mais errado expôr triunfalmente, em tom zombeteiro, os corpos empilhados para “provar” que Deus não existe. E esta estupidez foi feita pela mesmíssima página que criticou (acertadamente, como falei acima) uma foto que atribuía a tragédia aos pecados dos jovens, dizendo ser isto «[o] [t]ipo de coisa que vc nunca verá um ateu falando». De fato, isto eles não falam, mas falam mil vezes pior quando expõem os corpos amontoados para fazer piada sobre a existência de Deus! Se havia ainda alguma dúvida sobre a estreita correlação entre ateísmo e deficiências morais gravíssimas, o debate está encerrado: a ATEA acabou de demonstrá-la com eloqüência.
Mas fechemos um pouco os olhos à falta de alfabetização de quem nomeia uma página do Facebook como “Ateu Porquê o inferno é piada” e não sabe separar por vírgula o vocativo do restante da oração. Levemos a sua pergunta a sério: cadê Deus, enquanto jovens morrem (às centenas!) asfixiados por fumaça em um incêndio?
Deixemos de lado as respostas acadêmicas mais eruditas e respondamos simplesmente: Deus está na Cruz! Está ferido e sangrando, suspenso num madeiro, para provar que não é insensível aos sofrimentos humanos. Está agonizando, humilhado e sozinho, para fazer-Se próximo das mazelas dos homens como nunca ninguém foi capaz de se fazer. Está morto, nos braços da Virgem Santíssima aos pés da Cruz, para mostrar que Ele entende a injustiça, a morte, a dor e a perda de uma maneira muito mais profunda do que os homens são capazes de entender. Nenhuma página de dor da história da humanidade é alheia a Nosso Senhor Jesus Cristo, e nenhum sofrimento humano é necessariamente vão. O «Evangelho do Sofrimento» – para usar a bonita expressão da Salvifici Doloris – «vai sendo escrito, sem cessar, e fala constantemente com as palavras deste estranho paradoxo: as fontes da força divina jorram exactamente do seio da fraqueza humana» (SD, 27). E ainda: «[q]uanto mais o homem se vê ameaçado pelo pecado, quanto mais se apresentam pesadas as estruturas do pecado que comporta o mundo de hoje, maior é a eloquência que o sofrimento humano encerra em si mesmo e tanto mais a Igreja sente a necessidade de recorrer ao valor dos sofrimentos humanos para a salvação do mundo» (id. ibid.).
Aos que hoje choram, que lhes conforte saberem que, um dia, Deus também chorou. Aos que hoje sofrem, que lhes alivie saberem que, um dia, também Deus sofreu. Quanto aos maus religiosos e ateus fanáticos, que se calem diante da dor alheia – ao menos por consideração aos que sofrem -, já que não são capazes de fazer nada para mitigar-lhes o sofrimento. Ao menos, que não atrapalhem. Se não querem se unir ao coro dos que proclamam o Evangelho de Deus, ao menos que dêem livre trânsito à mensagem que pode efetivamente ajudar aos que sofrem.
E a mensagem é esta: eles têm Alguém que chore junto com eles, porque sofre também! Não estão sozinhos: têm Quem compartilhe com eles a dor, a tristeza e as lágrimas, como se fossem Suas. Porque são Suas, mais ainda do que deles. O alcance místico dos sofrimentos de Cristo na Cruz não conhece limites de tempo ou de espaço: os gritos de dor d’Ele perpassam os séculos e as fronteiras e atingem a cada homem nesta terra, de modo que cada pessoa, desde aquele Dia terrível do Calvário, onde quer que esteja e qualquer que seja a situação pela qual esteja passando, pode ter a mais absoluta certeza de que não sofre sozinha. Este é um conforto que só o Cristianismo é capaz de proporcionar. Esta é uma verdade da qual ninguém deve ser privado.

Use nossa caixa de pesquisa (à esquerda, na parte de cima da página) para procurar mais coisas interessantes nos blogs católicos.
Gostou? Clique no link abaixo e conheça o blog que publicou essa postagem!
A falta de senso dos maus religiosos e dos ateus fanáticos