quinta-feira, 2 de março de 2017

5 maneiras do demônio atacar durante a Quaresma ­

Fonte:

http://pt.aleteia.org/2016/02/25/5-maneiras-do-demonio-atacar-durante-a-quaresma/

5 maneiras do demônio atacar durante a Quaresma ­

Sentindo-se mais tentado do que o habitual? 

Esta é a temporada, e aqui está como reconhecer e responder a ela




E disse o Senhor a Satanás: Eis que tudo quanto ele tem está na tua mão; somente contra ele não estendas a tua mão. E Satanás saiu da presença do Senhor  (Jó 1, 12)

Eu não sei sobre você, mas desde que retornei à Igreja, costumo me sentir como Jó durante a Quaresma. Eu sinto que Deus permite que o diabo se aproxime um pouco, e as coisas tendem a ficar caóticas na minha vida espiritual!

Jesus foi tentado no deserto. E a Quaresma é um tempo de deserto. De acordo com o Catecismo, durante “Todos os anos, pelos quarenta dias da Grande Quaresma, a Igreja une-se ao mistério de Jesus no deserto” (item 540). Portanto, faz sentido que também pudéssemos sentir mais tentações neste momento. Mas Deus não permite qualquer coisa, a não ser que possa ser usada para o bem; Ele pode até mesmo usar a tentação e ataques do diabo para a nossa conversão, transformação e santidade.

Aqui estão alguns ataques que tenho reconhecido e as respostas que eu encontrei. Você já experimentou alguma destas tentações nesta Quaresma?

A tentação da distração
A Quaresma pode ser um tempo de grandes realizações espirituais e humanas. Diante disso, o diabo quer nos desencorajar e fazer desistir. A única coisa que a Quaresma deve ser é sobre Deus, não sobre nossas próprias atividades, por bem-intencionadas que possam ser.

É melhor pedir a Deus para nos ajudar a concentrar em uma coisa fundamental durante a Quaresma, e depois, apesar das nossas falhas, pedir-lhe a graça de perseverar.

A Tentação de Julgar
“Foi o orgulho que transformou anjos em demônios, mas é a humildade que faz de homens anjos”.― Santo Agostinho

Se somos naturalmente mais disciplinados ou temos mais força de vontade do que aqueles que nos rodeiam, na Quaresma surge a tentação de nos compararmos favoravelmente em relação aos outros. Isto é exatamente o que o diabo quer. Ele quer que pensemos que somos melhores que os outros e, assim, crescermos no orgulho, que é precisamente do que devemos nos arrepender durante a Quaresma.

Se tivermos essa tendência, ou experimentarmos isso nesta Quaresma, o melhor antídoto é escolher uma penitência que é absolutamente impossível de alcançar perfeitamente e que desafia a nossa tendência para o orgulho. Isto ajuda-nos a perceber que Quaresma não é ser perfeito, ser julgador. Trata-se de perceber que, mesmo com os dons naturais que Deus nos deu, ainda somos pecadores e necessitamos da Sua graça.

A Tentação do Auto-aperfeiçoamento
Nas penitências da Quaresma podemos querer perder peso ou excluir um mau hábito que se tornou uma irritação em nossas vidas, ao invés de crescer perto de Deus. E o diabo adoraria que a Quaresma fosse sobre nós. Mas a Quaresma não é sobre isso.

Como o Padre Anthony Gerber apontou em um excelente post sobre este assunto: “Quaresma é… sobre falhar miseravelmente – sobre você chegar a esta terceira semana e fazer a difícil escolha dos pregos e espinhos do amor… Mas, em seguida, negar Jesus por algumas moedas de prata, de conforto, de egoísmo, amor-próprio. E nesse momento, você ficará de joelhos e irá levantar os braços para o céu e dizer: ‘Senhor, eu não posso fazer isso por mim! Senhor, ajuda-me! Eu sou tão ruim em amor!’”.

Nós geralmente somos bons em amar a nós mesmos e ruins em amar o próximo. É por isso que é importante escolher penitências que nos ajudarão a crescer no amor altruísta.

A tentação da divisão
“A divisão vem do demônio. Fujam das lutas internas, por favor!” – Papa Francisco

Divisão é um dos utensílios favoritos do diabo em sua caixa de ferramentas. Ele gosta de provocar rivalidades, confusão, inveja, raiva e paranoia. O diabo quer que olhemos para outros cristãos e enxerguemos o inimigo em vez de reconhecer que o único verdadeiro inimigo entre nós é ele (e nós mesmos quando o deixamos operar em nós).

Então, é claro, durante a Quaresma o diabo pode tentar incitar a divisão entre os cristãos em nossas casas, em nossas paróquias e até mesmo online. Se você ler algum material online, uma boa pergunta durante a Quaresma (e na verdade, em qualquer momento) seria: “Será que este material me ajuda a amar mais meus irmãos cristãos, ou ele leva à divisão?”.

Recentemente falecido, o juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos e fiel católico Antonin Scalia disse uma vez: “Eu ataco ideias. Eu não ataco pessoas”. Este é um sinal de caráter. E é uma distinção que é cada vez mais perdida em nossa sociedade. Se o que você está lendo ou escrevendo online se concentra em atacar as pessoas ao invés de trabalhar para a unidade no amor cristão, pode ser a ferramenta do diabo para mantê-lo (e outros) afastado do crescimento na vida espiritual.

A tentação do desânimo
As tentações contra a fé e a pureza são mercadorias que o inimigo oferece – São Padre Pio

O diabo gosta de nada mais do que fazer-nos tão miseráveis como ele é. E ele sabe quando estamos nos sentindo desanimados e estamos susceptíveis a ser menos cooperativos com a graça de Deus. Assim, durante a Quaresma, o diabo pode nos tentar a sentir vontade de desistir de viver o espírito penitencial da temporada. Ele pode fazer-nos sentir que estamos constantemente falhando e que apenas não somos bom para isso. A coisa é – ninguém é “bom” na Quaresma. Se você pensa que é, você não está escolhendo as penitências certas.

Assim, quando nos sentimos desanimados, é uma oportunidade para agradecer a Deus com louvores de alegria por nos salvar de nossa mediocridade e do pecado. Não faz sentido desanimar se nós realmente acreditamos na mensagem do Evangelho. Mesmo na Quaresma, sabemos que Jesus morreu, sim, mas ele ressuscitou, e a alegria e a graça já está disponível para nos transformar. E agradeça a Deus por isso!

# # #

Existem muitas outras maneiras do diabo atacar durante a Quaresma. E há muitas maneiras de lutar contra isso. Se você tem alguma idéia para adicionar a partir de sua própria experiência pessoal, a partir das Escrituras ou a partir dos Santos, por favor, sinta-se à vontade para adicioná-la nos comentários!

Irmã Theresa Aletheia Noble, FSP, é autora de The Prodigal You Love: Inviting Loved Ones Back to the Church. Recentemente, ela pronunciou seus primeiros votos com as Filhas de São Paulo. Ela escreve no blog “Pursued by Truth”. 


7 CONSELHOS PRÁTICOS PARA RECUPERAR A PAZ DO CORAÇÃO

http://eusoucatolico.com.br/7-conselhos-praticos-para-recuperar-paz-do-coracao/



1) Programar e planejar o futuro sem transformá-lo em obsessão

Uma das coisas que mais nos afeta é a angústia ou a preocupação com o futuro que nos “rouba” o momento presente. O que vai acontecer amanhã? É preciso ocupar-se, mas não se preocupar. É preciso planejar, mas sem nos tornarmos obcecados pelo futuro. Dyer escreveu: “Todas as nossas neuroses são o resultado de não viver o presente.” E Jesus Cristo disse: “Não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu cuidado.” (Matheus 6,34)

2) Trabalhar por um ideal com a aceitação serena da realidade

Temos que trabalhar por um objetivo, pela excelência, pelo melhor, mas sem que a realidade nos decepcione. Recordemos a oração da serenidade: “Senhor, concedei-me a serenidade necessária para aceitar as coisas que não posso mudar; Coragem para mudar aquelas que posso e Sabedoria para reconhecer a diferença entre elas”. Também podemos nos valer destas palavras: “Se não houver frutos, valeu a beleza das flores; se não houver flores, valeu a sombra das folhas; se não houver folhas, valeu a intenção da semente.”

3) Desistir de sempre ter razão

Uma das coisas que mais nos divide são as intermináveis discussões político-ideológicas. Chegamos a perder valiosas relações familiares e de amizade por discussões em que queremos impor “nossa razão”, nossa verdade. É preferível ter paz e dormir tranquilo a ter razão sempre ou impor nosso ponto de vista.

4) Aprender a dizer Não

“Dizei somente: Sim, se é sim; não, se é não. Tudo o que passa além disto vem do Maligno” (Matheus 5,37). Dizer sim, não porque você quer e pode fazer o que lhe pedem, mas por satisfazer a vontade de alguém por medo de perder a sua amizade e o seu amor é não só um atentado contra si mesmo, como também um gerador de estresse e incômodo que desgasta qualquer um. Conheça seus limites, aja dentro deles e respeite-os. O que muito abraça pouco aperta.

5) Não transformar nada nem ninguém em uma obsessão

Nem para o bem, nem para o mal. A obsessão tira a paz e faz perder o prazer de tudo. Outro sinônimo de obsessão pode ser codependência, adição, vício. Por trás de todo o sofrimento, há um vício. Quando você solta os vícios surgem a liberdade e a paz.

6) Dar menos espaço para a “informação” e mais espaço para a formação, diversão e as relações interpessoais

“Os olhos não se cansam de ver, nem os ouvidos se cansam de ouvir” (Eclesiastes, 1,8). Estamos sobrecarregados de informação, disparou-se uma espécie de vontade extrema de estarmos informados de tudo através do jornal, do rádio, da televisão, dos celulares, da internet (Twitter, Facebook). E esse excesso de informação tirou tempo e espaço destinados à formação, à diversão saudável, à espiritualidade, aos momentos com os amigos e a família. E isso tem-nos roubado a paz. É preciso retomar espaços para as artes, para a cultura em geral e, sobretudo, para os encontros. Uma pessoa virtual jamais substituirá o olhar e o abraço de uma pessoa real.

7) Orar

“Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos! Seja conhecida de todos os homens a vossa bondade. O Senhor está próximo. Não vos inquieteis com nada! Em todas as circunstâncias apresentai a Deus as vossas preocupações, mediante a oração, as súplicas e a ação de graças. E a paz de Deus, que excede toda a inteligência, haverá de guardar vossos corações e vossos pensamentos, em Cristo Jesus.” (Filipenses 4, 4-7)
Fazei me mim um instrumento de Vossa Paz
(Oração associada a São Francisco de Assis)
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Sugestões de penitências e mortificações na quaresma

A Quaresma está chegando e muitos católicos ainda estão perdidos sobre quais penitências deve adotar neste tempo de reflexão e preparação para a Páscoa. Pensando nisso, o Padre José Eduardo separou algumas sugestões de mortificação:


|


1) Penitências gastronômicas:


- Trocar a carne por peixe, ovos ou queijo (ou mesmo comer puro)
- Comer menos arroz, feijão, pão, macarrão, para sair da mesa com um pouco de apetite
- Eliminar todos doces, refrigerantes, chocolate e demais guloseimas
- Nas refeições, acrescentar algo que seja desagradável, como diminuir a quantidade de sal ou colocar um condimento que quebre um pouco o sabor
- Comer algum legume ou verdura que não se goste muito
- Diminuir ou mesmo tirar as refeições intermediárias (como o lanche da tarde).
- Tomar café sem açúcar, ou água numa temperatura menos agradável
- Reservar algum dia para o jejum total ou parcial


2) Penitências corporais:


(apenas para ajudarem a não perdermos o sentido do sacrifício ao longo do dia, a não sermos relaxados, devendo ser pequenas e discretas).
- Dormir sem travesseiro
- Sentar-se apenas em cadeiras duras
- Rezar alguma oração mais prolongada de joelhos
- Não usar elevadores ou escadas rolantes
- Trabalhar sem se encostar na cadeira
- Cuidar da postura corporal
- Descer um ponto antes do ônibus e fazer uma parte do caminho à pé
- Deixar de usar o carro e pegar um transporte coletivo

3) Penitências Morais:


(são as mais importantes)

- Não reclamar das contrariedades do dia, mas agradecer e louvar a Deus
- Sorrir sempre, mesmo quando haja um nervoso
- Moderar a frequência às redes sociais, celular e computador (reduzir a poucas vezes ao dia)
- Desligar as notificações do celular
- Fazer os serviços mais incômodos na casa e no trabalho, ajudando os outros
- Acordar mais cedo para fazer oração
- Não ouvir música no carro
- Não assistir TV, mas dedicar este tempo à leitura
- Não usar jogos eletrônicos, caso seja viciado
- Fazer algum trabalho voluntário
- Rezar mais pelos outros, do que por si mesmo
- Reservar dinheiro para dar esmolas, mas sobretudo atenção aos mendigos
- Falar bem das pessoas que se gostaria de criticar
- Ouvir as pessoas incômodas sem as interromper
- Dormir no horário, mesmo sem vontade.

Fonte:

Um dos Maiores Grupos Católicos do Facebook



https://www.facebook.com/groups/catolicosdeverdade/


Venha fazer parte de nosso Grupo , 
Católicos de verdade - Brasil

Deus recompensa as boas Obras?


Origem das "Bíblias" Protestantes


Sola Scriptura é lícita ?


Modo de Multiplicar diferente

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Palestra: Drogas, crimes e prisões

Palestra: Drogas, crimes e prisões

Data: 04/03
Hora:08:30


Palestra

Drogas, crimes e prisões

Assessoria:
 Alan Paiva, escritor e advogado criminal, colabora com a defesa de dependentes químicos que buscam tratamento na Fazenda do Amor Misericordioso, em Pinheiro-MA.

Público-alvo: público em geral.

Data: 4 de março (sábado)

Horário: das 8h30 às 12h

Local: Auditório Paulinas Livraria