terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

subsecretario fala sobre celebraçoes liturgicas nos movimentos



Agência Ecclesia

Monsenhor Juan Miguel Ferrer Grenesche


O subsecretário da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, Monsenhor Juan Miguel Ferrer Grenesche, afirmou que as celebrações das comunidades católicas têm de ser mais do que manifestações de “emoção” e deve levar a uma “transformação da vida”.
“Um cristão tem de emocionar-se na Liturgia, se a viver em profundidade, mas não pode ficar apenas pela emoção, porque esta é um fator humano. É preciso integrar outras dimensões do humano, a vontade, a racionalidade”, disse o Monsenhor, durante visita à Portugal para falar da constituição ‘Sacrosanctum Concilium’ (1963), sobre a Liturgia, aprovada pelo Concílio Vaticano II.
O responsável da Santa Sé admite que alguns movimentos dentro da Igreja sublinham a dimensão da emotividade, esquecida por outros, convidando-os a aprender com a tradição “plurissecular” a “irradiação do ato de fé sobre a razão humana, o conhecimento, e sobre a vontade, a transformação da vida que se ordena para Deus”.
Num mundo de imagens, destaca Monsenhor Grenesche, é preciso recuperar a dimensão da contemplação face à “sucessão de impressões” que marca as sociedades contemporâneas.
“Os sentidos e a imagem são algo fundamental, mas desde uma perspectiva contemplativa. O mundo da imagem da cultura contemporânea ajuda-nos a não descurar o aspeto dos sinais sensíveis da Liturgia, mas esta convida o mundo a não deixar-se arrastar pela corrente de imagens”.
Relativamente à ‘Sacrosanctum Concilium’, primeira constituição aprovada pelo Vaticano II (1962-1965), o especialista espanhol sublinha que os 50 anos que passaram sobre o Concílio são como “uma gota de água num grande mar” na vida da Igreja, sendo ainda necessário assimilar a novidade “teológica” que o encontro mundial de bispos trouxe à Liturgia.
“O principal é pôr em evidência a ação de Deus, que se destina a que os homens entrem em diálogo com Ele”, explicou.
Para que exista esse diálogo, acrescentou, é preciso “facilitar o acesso dos fiéis” ao que é celebrado, para que possam “expressar-se de modo mais completo, mais rico”.
As mudanças visíveis na língua e nos ritos, assume o subsecretário da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, desvalorizaram aos aspetos ligados à “formação” no campo litúrgico, conclui.
fonte www.cancaonova.com
colaboração Bacharel em teologia Jose Benedito Schumann Cunha