terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

O profeta católico 'não obedece ninguém além de Deus', diz o Papa


  Bacharel em teologia Jose Benedito Schumann Cunha



Queridos irmãos e irmãs, no Batismo nós tornamos profeta, rei e sacerdote em Cristo, Nesse sacramento tornamos missionários Dele em todos os lugares na nossa cidade e em todas as regiões. Muitas vezes somos incompreendidos pelos nossos irmãos e irmãs de caminhada porque estão na contramão da história cristã. Infelizmente alguns estão alojados nos seus mundos particulares como se ninguém está ao seu redor clamando amor, justiça, perdão, misericórdia, partilha e solidariedade entre nós. Dá impressão que a verdade não se pode ser dita e que devemos seguir os mandos do mundo, mas o verdadeiro Profeta obedece a Deus e não aos homens. Existe a verdade e não outra no amor despojado aos que mais precisam e clamam ajuda de cada um de nós. ( Jose Benedito Schumann Cunha)

"É verdade que Jesus é o profeta do amor, mas o amor também tem a sua verdade," ressaltou o Santo Padre. Durante a oração mariana do Angelus, neste domingo, 3, o Papa Bento XVI convidou os católicos a ‘investir’ na vida e na família como resposta eficaz à atual crise, e expressou o desejo de que a Europa seja sempre um lugar em que se defenda a dignidade de todo ser humano. No breve discurso proferido da sacada de seu escritório, Bento XVI se uniu aos bispos italianos e saudou a celebração na Itália do “Dia pela Vida”, que recorre sempre no primeiro domingo de fevereiro e que este ano lançou a iniciativa “Um de nós”. Trata-se de um apelo que defende a dignidade de todo ser humano como “fundamento de justiça, liberdade, democracia e paz”.(www.cancaonova.com)
E ainda em referência à tutela da vida, dirigiu um pedido aos professores da Faculdade de Medicina, para que formem profissionais no respeito da cultura da vida. No início do encontro, o Pontífice recordou o episódio narrado no Evangelho de São Lucas, quando Jesus surpreende os cidadãos de Nazaré e os provoca, deixando a entender que é ele o Messias. As pessoas de sua cidade, que bem conheciam ele e sua família, o julgam presunçoso e o expulsam da sinagoga. No entanto, Jesus sabe que “nenhum profeta é bem-quisto em sua pátria” e assim, levanta-se e vai embora. Em meio ao povo, surge a dúvida: “Por que esta ruptura? Ele tinha o nosso consenso...”. O Papa esclareceu aos fiéis que Jesus não queria o consenso dos homens, mas “dar testemunho à Verdade”. É verdade que Jesus é o profeta do amor, mas o amor também tem a sua verdade!”. (www.cancaonova.com)
Como escrevia São Paulo, “o amor não se vangloria, não se orgulha, não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor; o amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade”. Falando em espanhol, o Papa prosseguiu dizendo que o Apóstolo garante que “o caminho da perfeição não consiste em ter qualidades particulares, mas em viver o amor autêntico, que Deus nos revelou em Jesus Cristo”. Bento XVI concluiu que o verdadeiro profeta católico “não obedece ninguém além de Deus; está a serviço da verdade e sempre pronto a pagar com a própria vida: crer em Deus significa renunciar aos próprios preconceitos”. (www.cancaonova.com)

As palavras do papa Bento XVI e o evangelho de Lucas nos impulsionam para sermos verdadeiros profetas que levam a todos os cantos do mundo a verdade de Jesus que é a verdade que liberta as pessoas da escravidão do pecado, do egoísmo, do materialismo, dos indiferentismos e do ateísmo reinante de alguns. Essa escravidão leva a pessoa a excluir os mais necessitados da nossa sociedade capitalista que não os deixa ter vida plena.  Não podemos ser a favor da morte de crianças inocentes indefesas pelo aborto e de mortes pela eutanásia. Ainda não se pode de dar o nosso não à ajuda humanitária aos que passam fome, sofrimentos causados pelas catástrofes naturais ou outras provocadas pela ganância humana. Jesus veio pobre e viveu na simplicidade para nos ensinar que não precisamos ter acúmulos e viver de opulências nesta terra que tudo passa. (Jose Benedito Schumann Cunha)

Quando alguém tem muito certamente falta o pão na casa do faminto que nos convida a partilha de bens como podemos ver a passagem do moço rico com Jesus. Assim diz: E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Falta-te uma coisa: vai, vende tudo quanto tens, e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, toma a cruz, e segue-me” (Mc 10,.21). Esse foi um convite de Jesus para segui-Lo de mais de perto como fez aos outros apóstolos. Hoje Jesus faz esse convite para estejamos disponíveis a ouví-Lo na sua Palavra proclamada na Igreja, na participação da santa missa e na vida de comunidade trabalhando para o bem comum de todos. (Amém)(Jose Benedito Schumann Cunha
(Iesus autem intuitus eum dilexit eum et dixit illi unum tibi deest vade quaecumque habes vende et da pauperibus et habebis thesaurum in caelo et veni sequere me) (Mc 10,21)
Bacharel em Teologia Jose Benedito Schumann Cunha) 03-02-2013