domingo, 12 de agosto de 2012

A VIA CRUCIS






Andando pelas ruas

Eu vejo algo mais do que arranha-céus
É a fome e a miséria
Dos verdadeiros filhos de Deus

Vejo almas presas chorando em meio a dor

Dor de espírito clamando por amor

Anjos das ruas

Anjos que não podem voar
Pra fugir do abandono

E um futuro poder encontrar

Anjos das ruas
Anjos que não podem sonhar
Pois a calçada é um berço
Onde não sabem se vão acordar



Às vezes se esquece que são seres humanos
Com um coração sedento pra amar
Vendendo seus corpos por poucos trocados
Sem medo da morte o relento é seu lar
Choros, rangidos, almas pra salvar