domingo, 19 de dezembro de 2010

Natal, beleza de seus símbolos

Natal, beleza de seus símbolos


 
Natal, beleza de seus símbolos
O símbolo tem grande importância para a humanidade. Comunicamo-nos e externamos nossos sentimentos e pensamentos através de gestos e símbolos. Servimo-nos de sinais para criar e sustentar nossos relacionamentos; manifestar sentimentos e celebrar a vida.
O Natal é o dia em que celebramos o nascimento de Jesus Cristo, que veio ao nosso encontro. Dia em que Deus Pai nos enviou seu maior presente: seu Filho. Para celebrar esse lindo dia, com toda dignidade, com um modo todo especial, nós nos servimos dos mais diversos e belos símbolos:
Árvore de Natal
A primeira referência a uma “Árvore de Natal” é do século XVI dC. Na Alemanha, as famílias decoravam árvores com papel colorido, frutas e doces. Esta tradição se espalhou pela Europa e chegou aos Estados Unidos pelos colonizadores alemães. Logo, a árvore de Natal passou a ser popular em todo mundo. Milhões de famílias celebram o Natal ao redor de uma árvore. A árvore que é símbolo da vida e símbolo de Cristo “Eu sou a árvore, e vós sois os ramos” (Jo 15,05).
O Presépio
Construído pela primeira vez por São Francisco de Assis no Séc. XII dC. Consiste na apresentação em pintura ou escultura das pessoas, do local e do ambiente em que Jesus nasceu: uma manjedoura, animais, pastores, os três reis magos, Maria, José e o Menino Jesus.
Ajuda-nos a refletir sobre o fato bíblico do nascimento do Salvador (Luc 2, 1-2-) e nos inspira a vivermos essa espiritualidade tão bela e forte do Natal. É Cristo que vem até nós, com seu amor e salvação. O presépio simboliza também nosso coração, que acolhe o menino Jesus.
Ceia e velas
A ceia natalina originou-se do antigo costume europeu de deixar as portas das casas abertas no dia de Natal para receber viajantes e peregrinos e, estes juntamente com a família hospedeira confraternizavam-se naquela data tão significativa para os cristãos. Para essa comemoração era preparada bastante comida, composta por diversos pratos. Foi sempre ligada à última ceia de Cristo (Mt 26, 26-29) ao lado de seus discípulos e ao banquete eterno prometido por Ele.
Também é muito forte o uso das velas na noite da ceia: simbolizando a presença de Cristo como Luz do mundo. Ele próprio disse: “Eu sou a Luz do mundo, quem anda comigo não anda nas trevas” (Jo 8,12). Cada Natal deve renovar em nós a fé em Cristo Luz do mundo e a certeza de que também recebemos sua luz para iluminar.
Papai Noel
Sua origem vem do bispo Nicolau, que viveu o seu pastoreio na cidade de Myra, Turquia, no século IV dC. Nicolau costumava ajudar, anonimamente, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas a ser doado na chaminé das casas. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo. A figura do Papai Noel que conhecemos hoje foi obra do cartunista Thomas Nast. A tradição do bom velhinho de barba comprida e roupas vermelhas que anda num trenó de renas ganhou força em todo o mundo.
Canções
Os cristãos sempre deram muita importância para o valor da música. As primeiras canções natalinas datam do século IV dC., e são cantadas até hoje a partir das véspera de Natal. Anjos cantores anunciam uma boa notícia: “Glória no mais alto dos céus e paz na terra aos homens de boa vontade”(Lc 2,14). Mensageiros surgem nos céus para confirmar o nascimento do filho de Deus. Pela melodia que entoamos prenunciamos um novo tempo: do reinado de Cristo.
Lugano-Suíça, Dezembro,2010.
Pe Geraldinho